Governo de Minas reúne sindicatos e reafirma ‘grave crise financeira’ no caixa do estado

5 crenças em relação a sites que precisam ser abandonadas em 2019
21/01/2019
Seguro de casa PREVILEMOS
01/02/2019

De acordo com secretário de Planejamento, Otto Levy, a meta é colocar os salários em dia. Folha de pagamento será gerenciada pela Seplag, e não mais pela Fazenda

A folha de pagamentos do serviço público em Minas Gerais vai voltar a ser gerenciada pela Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) – e não mais pela Secretaria da Fazenda. A medida foi anunciada nesta sexta-feira pelo secretário Otto Levy Reis, durante reunião com representantes de 34 sindicatos ligados ao funcionalismo.

Com a medida, o governo quer liberar a Fazenda para dedicar-se exclusivamente a medidas para aumentar a arrecadação. O orçamento deste ano prevê um déficit de R$ 11,4 bilhões nas contas públicas.

Os sindicalistas aguardavam que durante o encontro fosse anunciado de que forma será pago o 13º salário de 2018, mas diante da tragédia com o rompimento da Barragem 1 da Mina Córrego do Feijão, o governo optou por adiar a informação.

Na reunião, Otto Levy repassou aos sindicatos dados sobre a situação financeira do estado, que classificou de ‘grave’ e garantiu esforços para regularizar o pagamento do salário do funcionalismo.

O então governo de Fernando Pimentel (PT) implantou o parcelamento dos salários em janeiro de 2016 – prática que foi mantida por Romeu Zema (Novo). “O governo vai manter diálogo contínuo com as entidades que representam os servidores e, apesar das dificuldades financeiras do Estado, vai trabalhar para cumprir suas obrigações e pagar o servidor público em dia”, disse o secretário, em nota divulgada pela assessoria de imprensa.

O coordenador do Sindipúblicos, Geraldo Henrique Conceição, classificou a reunião de decepcionante. “Não apresentaram nada de novo”. Segundo ele, os sindicatos voltaram a cobrar o repasse de verbas para o Instituto de Previdência dos Servidores de Minas Gerais (Ipsemg) para que o atendimento médico seja regularizado.

E ouviram do secretário que não haverá redução no valor do auxilio-alimentação daqueles servidores que recebem o benefício.

Em relação ao abono de Natal, Geraldo Henrique ressaltou que os servidores são solidários às vítimas do desastre de Brumadinho, mas esperam que o governo anuncie o mais breve possível a escala de pagamentos. No final de semana, Romeu Zema havia anunciado que apresentaria a proposta de quitação do 13º até esta sexta-feira.

Durante o encontro foi anunciado ainda que a nova assessora de relações sindicais da Seplag será Helga Beatriz Gonçalves de Almeida, funcionária de carreira da pasta.

Fonte: Jornal Estado de Minas, 25-01-19